Balanço Patrimonial: o que é e como fazer um para a sua loja

Um bom modelo de balanço patrimonial para a sua loja pode ser a diferença entre você ter o controle sobre o que a sua empresa tem de ativos e passivos. Ao longo deste artigo vamos detalhar o que cada um destes itens significa, além de explicar o que é um balanço patrimonial e de que maneira você, junto com o seu setor de contabilidade, pode desenvolver um.

Além de ser essencial para uma empresa, o balanço patrimonial é exigido por lei, em alguns casos. Ou seja, muitas empresas devem fazer o seu balanço e prestar contas à União a respeito de seu patrimônio.

O que é um Balanço Patrimonial

O Balanço Patrimonial é um relatório demonstrativo completo do estado contábil da sua empresa em um determinado momento. Ele relaciona ativos e passivos para descobrir o patrimônio líquido do seu negócio.

O nome Balanço não é por acaso. Ele remete ao conceito de uma balança, justamente porque o ativo da empresa deve ter o mesmo valor do patrimônio líquido e do passivo somados.

Esse relatório muitas vezes é confundido com o fluxo de caixa da empresa, mas a diferença é bem simples: o Balanço Patrimonial é um relatório estático, como uma fotografia, de um momento específico na contabilidade da empresa.

Já o fluxo de caixa é móvel, como um vídeo, uma vez que, com as entradas e saídas de dinheiro, o valor em caixa é sempre diferente, de momento a momento.

Porque fazer um Balanço Patrimonial

Como dissemos, além de ser importante para a própria estrutura da empresa, uma vez que permite que você saiba em que estágio de saúde monetária ela se encontra, o Balanço Patrimonial é exigido por lei, principalmente, caso a empresa deseje participar de algum processo licitatório.

Há, inclusive, disposições sobre o caso em uma lei específica, a chamada Lei 8.666/93, no inciso I do artigo 31:

I – balanço patrimonial e demonstrações contábeis do último exercício social, já exigíveis e apresentados na forma da lei, que comprovem a boa situação financeira da empresa, vedada a sua substituição por balancetes ou balanços provisórios, podendo ser atualizados por índices oficiais quando encerrado há mais de 3 (três) meses da data de apresentação da proposta (sem grifos no original).

Além disso, há outras resultantes de um Balanço patrimonial bem feito, uma vez que ele pode ajudar você a:

  • Conhecer a exata situação patrimonial do seu negócio;
  • Enumerar todos os seus bens, direitos e deveres financeiros;
  • Analisar a calcular todos os dividendos dos sócios da sua empresa;
  • Entender quais são as origens e as fontes financeiras que estão à disposição da empresa em caso de investimento;
  • Ajudar na criação de um planejamento tributário;
  • Manter informações atualizadas sobre a saúde das finanças do seu negócio caso você necessite de investimento externo, entre muitas outras coisas, como vamos exemplificar ao longo deste artigo.

Quais informações devem estar em um Balanço Patrimonial

Você já ouviu falar de um livro diário? Se ainda não ouviu falar, você deveria. Isso porque, a manutenção de um livro diário está prevista na legislação e também consta nas normas da contabilidade. Todas as empresas, independente de seu tamanho ou função, devem ter um.

Como o nome já diz, este livro recebe atualizações diárias a respeito de todas as transações financeiras da empresa. É deste livro, principalmente, que vêm as informações que te ajudarão na hora de fazer um Balanço Patrimonial da sua empresa.

Como ele recebe atualizações diárias, este livro é a mais importante fonte de informação das finanças do seu negócio, já que ele contém demonstrações sobre os tipos de movimentações monetárias, origem de investimentos e fontes de todos os recursos da empresa.

Balanço Patrimonial: o que é e como fazer um para a sua loja

Balanço Patrimonial: o que é ativo e passivo?

Se você quer saber como estruturar um Balanço Patrimonial, o primeiro passo é entender o que é passivo e o que é ativo dentro do patrimônio do seu negócio. Então, antes de mais nada, vamos explicar estes conceitos, para que você saiba quais são as peças que você utilizará para chegar a um resultado equilibrado nas finanças da sua empresa.

O que são ativos

Ativos são todos aqueles recursos financeiros que a empresa tem disponíveis, assim como os seus bens e direitos. Esses recursos são classificados como Ativo Circulante, Ativo não Circulante e Ativo Total:

Ativo Circulante

É todo aquele conjunto de bens, direitos ou disponibilidades financeiras que podem ser vendidos, consumidos ou negociados, gerando conversão em dinheiro a curto prazo, no caso, em até um ano. Exemplos:

  • Aplicações financeiras: aquelas que podem ser liquidadas de maneira imediata e que geralmente vêm de aplicações feitas no mercado financeiro com recursos excedentes do caixa da empresa.
  • A receber: ativos previstos para terem origem a partir de créditos da empresa, como serviços prestados a receber à prazo ou outros tipos de títulos de crédito.
  • Caixa e banco: aqueles recursos existentes em caixa. Também são considerados, valores que estão em contas no banco ou mesmo, na tesouraria da empresa.
  • Adiantamentos: quando a empresa adianta o pagamento de fornecedores, o produto que está por ser entrega também é considerado um ativo circulante.
  • Estoque: assim como os adiantamentos, o estoque é considerado ativo circulante, pois uma vez que esteja em estoque, um produto está pronto para ser vendido e convertido em dinheiro, de forma rápida.

Ativo Não Circulante

Todos aqueles bens que possuem permanência duradoura. São aqueles itens que são usados para o funcionamento normal e cotidiano do seu negócio. São bens e direitos realizáveis a longo prazo, ou seja, mais de um ano. Estes ativos, ainda, são divididos em 4 tipos:

  • Ativo realizável a longo prazo: são contas de natureza devedora. Aquelas que têm a realização prevista para o longo prazo. As contas de direito sem prazo também se encaixam nesta categoria.
  • Imobilizado: aqueles bens referentes à manutenção da cadeia de produção da empresa ou mesmo o funcionamento da empresa, como, carros, maquinário, móveis e instalações. A depreciação que estes bens imóveis podem sofrer também deve ser discriminada no Balanço Patrimonial.
  • Intangível: são aqueles ativos que não são físicos ou palpáveis mas representam fonte de renda e valor para a empresa, como a sua marca registrada, patentes, etc…
  • Ativo total: é a soma de todos estes ativos. A soma do Ativo Circulante e do Ativo não Circulante resultam no total de investimento da empresa.

O que são passivos

Assim como os ativos, os passivos que fazem parte do balanço Patrimonial são divididos em Passivo Circulante e Passivo não Circulante.

Passivo Circulante

São aquelas dívidas e obrigações que normalmente serão pagas dentro do período de um ano. Elas são compostas, principalmente, das seguintes contas:

  • Salários e outros encargos: estes gastos são referentes a gastos com folha de pagamento de funcionários de todo o quadro da empresa, além de prestadores de serviço terceirizados.
  • Empréstimos: dívidas a serem pagas dentro do período, aos bancos e instituições financeiras, por financiamentos e empréstimos concedidos, ou qualquer outro serviço de crédito.
  • Fornecedores: dívidas que devem ser pagas a favor dos fornecedores de matéria-prima e mercadorias.
  • Adiantamentos: valores pagos em adiantamento por clientes que ainda vão receber seus produtos ou serviços.
  • Impostos e contribuições: referente a imposto de renda que fica retido na fonte ou mesmo, às contribuições sociais do quadro de funcionários.
  • Impostos a receber: relacionado aos tributos referentes a bens comprados ou vendidos pela empresa.


Passivo Não Circulante

São aqueles compromissos que a empresa deve honrar a longo prazo, com vencimentos em prazos superiores a 360 dias. Se encaixam na categoria, financiamentos de ativos fixos, como carros, maquinários e equipamentos.

Patrimônio Líquido

Patrimônio líquido, nada mais é, do que o resultado da soma de todos os ativos, menos a soma de todos os passivos. Ou seja, se uma empresa possui R$ 100 mil em ativos e possui R$ 30 mil em passivos, ela terá um Patrimônio Líquido no valor de R$ 70 mil. A conta é simples, e é feita assim:

Ativos = 100

Passivos = 30

100 – 30 = 70

Este valor representa, então, o montante que os acionistas da empresa possuem como riqueza interna da empresa, e é a ele que poderão recorrer em caso de necessidade de recursos internos.

Fazer o Balanço Patrimonial é obrigatório?

Como dissemos acima, fazer um balanço patrimonial é, sim, obrigatório para a maioria das empresas. Estão isentas da apresentação deste documento, somente micro e pequenas empresas, que se enquadrem no MEI (Microempreendedor Individual) ou aquelas que são optantes pelo Simples Nacional.

O balanço patrimonial é um documento obrigatório por lei. No entanto, estão dispensadas de elaborar esse relatório as micro e pequenas empresas, como as que se enquadram no MEI (Microempreendedor Individual) e as optantes pelo Simples Nacional.

Citamos também, no início do artigo, que para passar por processos licitatórios, até mesmo estas empresas devem possuir um balanço patrimonial, então, é altamente recomendável, que mesmo para aqueles para quem a criação do documento é facultativa, que se contrate um contador e que se crie o balanço da empresa.

Isso porque, o documento em mãos pode garantir que a sua empresa não perca nenhuma oportunidade de negócio, uma vez que, muitas vezes este balanço é exigido de qualquer empresa que vá vender um produto ou prestar um serviço.

Por isso, fique atento. Faça anualmente o seu Balanço Financeiro e não perca oportunidades de ouro.

Se você ainda tem alguma dúvida, ou quer saber um pouco mais sobre o assunto, veja esse vídeo bem legal, abaixo, feito pelo Professor Luciano Diniz:

Tags In
148 / 156

3 Comments

  1. Eraldo Ferreira 23 de julho de 2018 at 10:05

    Gostaria de questionar o embasamento que permite que empresas do Simples seja facultado o Balanço Patrimonial. Entendo que existe a necessidade para quem for participar de Licitação, mas gostaria de entender o embasamento para que seja facultado! Sou Empresário!

    1. Adrien Duarte
      Adrien Duarte 23 de julho de 2018 at 13:10

      Oi, Eraldo.

      A própria Lei 9317/96 dispensa a necessidade de pequenas empresas elaborarem o Balanço Patrimonial:

      Dispõe o § 1º do artigo 7º da Lei 9317/96:

      § 1º A microempresa e a empresa de pequeno porte ficam dispensadas de escrituração comercial desde que mantenham, em boa ordem e guarda e enquanto não decorrido o prazo decadencial e não prescritas eventuais ações que lhes sejam pertinentes.

      Já em casos Administrativos, para transações com o Governo, o empresário deve estar atento ao seguinte:

      Dispõe o inciso I do artigo 31 da Lei 8666/93:

      Art. 31. A documentação relativa à qualificação econômico-financeira limitar-se-á a:

      I – balanço patrimonial e demonstrações contábeis do último exercício social, já exigíveis e apresentados na forma da lei, que comprovem a boa situação financeira da empresa, vedada a sua substituição por balancetes ou balanços provisórios, podendo ser atualizados por índices oficiais quando encerrado há mais de 3 (três) meses da data de apresentação da proposta;

      Ou seja, fazer o Balanço Patrimonial é facultativo, a não ser que a empresa optante pelo Simples, decida participar de algum processo licitatório.

      Espero ter ajudado.

      Abração. 😉

Deixe uma resposta

Required fields are marked

WordPress Theme built by Shufflehound. QuantoSobra | www.QuantoSobra.com.br | Software de Gestão - ERP para Micro e Pequenas Empresas

Compartilhe com um amigo